Mar de Céu

Posted: junho 01, 2010 by Alessandro Pierre in
6

 Imagem: Make a Wish -  © Luke Jaczewski



Mar de Céu...



De tanto olhar para o céu observando estrelas
Não pude ver que entre tantas, nesse escuro mar de céu
Havia uma que me observava em silêncio
De brilho raro, luz cálida na escuridão dos dias
Estrela cadente, de queda para o alto...
Que me mostra o caminho que quero seguir
Me ensinou sorrir de dia para colher estrelas a noite
Em meio a todo o caos do mundo ainda nascem flores
E em todo o caos do céu ainda nascem as estrelas
Foi a paixão que emprestou briho de estrelas aos seus olhos
O amor acendeu o calor de mil sois em seu peito
Ela é como a lua, esconde segredos que eu conheço
Tem o mundo a seus pés, rainha de mim
Ela luz. Eu refletância na escuridão da noite
O dia se abre quando ela sorri, o sol percorre seus labios
Quando ela chora a noite fica mais bela e melancólica
As estrelas são lágrimas que cairam ao contrário
E salpicaram o céu de diamantes
Estas estrelas que me escapam, caem no papel
Ela luz. Eu um corpo em sua órbita
A quase todas as constelações ja dei seu nome
Eu luz. Ela constelação dentro de mim
Ciranda de estrelas dentro e fora de nós
No meu céu existe uma estrela que brilha mais que todas as outras
Ela me faz ânsiar pelas noites todos os dias.



"Todo o homem e toda mulher é uma estrela"
Aleister Crowley



6 comentários:

  1. ValeriaC says:

    Alessandro poeta amigo... que sensibilidade em seu poema... que lindo este perder-se e achar-se na beleza do céu...o Amor sem dúvida alguma deixa tudo absolutamente belo.
    Beijos...
    Valéria

  1. Fernando. says:

    Que lindo!

    Essa visão tão doce de vida que a poesia nos proporciona é fantástica.

    O poder de ver que até em dor podem nascer sorrisos é extraordinário.

    O amor tem dessas coisas.

    Meu abraço.

  1. Nanda says:

    Simplesmente encantador! Lindo, lindo de se emocionar, de reler várias, diversas vezes... Vivo essa fase de "Em meio a todo o caos do mundo ainda nascem flores". Coisa que eu nem imaginava existir hoje presenteia minha visão... e meu coração tbém.

    Parabéns Ale, vc é um poeta!
    E sorte dessa estrela, que tem iluminado suas noites!
    Gde beijo!

  1. "As estrelas são lágrimas que cairam ao contrário
    E salpicaram o céu de diamantes."

    Lindo poema de amor,Pierre! Magnífico!

  1. Fico aqui me perguntando ao silêncio, ao tempo amoroso que se vai: colher estrelas em meio ao caos do mundo?! Estrelas que caem no papel, constelações dentro de si... Mar... Ouvir estrelas... Poemar estrelas...
    Este seu mar de estrelas, Alessandro, se confunde com um céu cintilante enluarado. Lembra uma tela pintada de Van Gogh: azul na penumbra da noite. No dia, um campo de girassóis.
    Beijo grande, poeta.

  1. Como diria Renato Russo: Nem a lua pode ter as estrelas. Mas a gente tenta, de alguma forma. Abraço, broder!